sexta-feira, 1 de julho de 2011

Salada de Pensamentos #3 (?)

Odeio pessoas que não sabem o que querem de suas vidas.
Elas me irritam profundamente, não por não saberem o que querem, mas porque
não sabem nem o que gostam, o que priorizam.
Quando você gosta mais de morango do que de chocolate é mais
fácil de escolher... Não é que você não possa nunca comer chocolate, mas é que
se você precisar levar apenas uma coisa pra vida toda não será o chocolate!

Ouvi hoje no rádio que o Kassab esta dando aumento de 250% pra deputaiada!
Enquanto quem rala de verdade tem que lutar por aumentos de 5%!
Isso é um crime, se não é, deveria ser!

Sempre gostei dos pronomes possessivos. Não sou possessiva, não ao ponto de dar vexames.
Nem ao ponto de passar vergonha ou me humilhar.
Minha relação com os pronomes possessivos é simples:
Quando alguém te diz "minha menina" vale bem mais que "menina".
Pois quando algo é "meu" é valorizado!
Quando temos algo que é nosso cuidamos melhor, temos uma fragilidade, uma delicadeza, um amor, um carinho maior.
Não acredito que um homem que diga "minha princesa" esteja te tratando como objeto.
(Não o tipo de homem que conheço)
Ele está te colocando numa redoma, está protegendo você de ventos frios e de tempestades, está te regando e te colocando ao sol, está correndo riscos nos teus espinhos, mas é um risco bom!

Já sentiu aquela fome antes do almoço?
Aquela fome insuportável, onde mesmo sabendo que o almoço estará pronto em 10 minutinhos você
abre o armário e pega algo pra beliscar até os 10 minutinhos infinitos passarem?
Já pensou que tem gente que sente essa fome todo dia, e não há armário ou geladeira para abrir e comer alguma coisa? E nem almoço saindo...
Já pensou que a fome infinita que você sente, passa, a de outras pessoas não!
Já pensou que em dias frios como os que tem feito, você vai pro seu banho quente, sai, coloca sua roupa quentinha, e vai se deitar na sua cama cheia de cobertores deliciosamente quentes, mas tem gente que não consegue isso... Não tem isso.
Algumas pessoas dormem num chão frio no meio da cidade, coberto apenas por um pedaço de papelão, e que ainda sofrem algum tipo de violência...

Shakespeare tem um poema muito intrigante sobre o comportamento humano:

"Você diz que ama a chuva,mas você abre seu guarda-chuva quando chove.
Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha.
Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra.
É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama…"


E eu tenho o mesmo medo que ele!
As pessoas dizem que te amam, e ai, quando você acredita nas palavras dela, as atitudes mostram o contrário... Algumas atitudes até mostram o amor... Mas outras... 
A gente se sente pisado, desprezado, frustrado porque parece que nunca conseguimos fazer a pessoa feliz.
E, no meu caso, sou bitolada por querer fazer as pessoas felizes. Afinal, se eu estou feliz ou em condições de fazer alguém feliz, porque não? Espalhar felicidade é preciso.


Sério, quem é que planeja comerciais de absorventes?
SÃO PÉSSIMOS
Repare que nesses comerciais as mulheres estão normalmente de saia ou
ou roupas claras e ai o comercial diz que elas se sentem inseguras naqueles dias para usar essas roupas, concordo.
Todas nós não nos sentimos bem para isso, mas quem vê esses comerciais pensa que nós nos sentimos inseguras só com esse tipo de roupa e só nos dias de menstruação.
MENTIRA, em primeiro lugar roupas brancas sempre nos deixam inseguras, e particularmente, nesses dias, todas nós evitamos esse tipo de roupa.
Em segundo lugar, com qualquer tipo de roupa os absorventes são desconfortáveis e nos deixam inseguras.
E esse negocio de camadas de absorção, me poupem, quem usa sabe...
E que palhaçada é aquela da Paola Oliveira DE VESTIDO sair pulando num campo?
Gente, isso não existe. Quem faz isso na vida real?
Os comerciais onde repórteres invadem a casa da cidadã e perguntam sobra a limpeza do vaso também, francamente! 
Sem comentar o comercial do guaraná Antártica, onde GALOS E GALINHAS cantam ópera, ok, a ideia é interessante "é mais fácil ver um coral de galinhas que a fórmula secreta", mas por favor, o que galinhas e galos tem haver com guaraná?
Tipo, o comercial foi fraco e sem noção nenhuma, sem falar da letra da música que é bem fraquinha.
Não dá para acreditar que a pessoa fica quatro anos numa faculdade pra bolar ISSO!
E nem vou comentar sobre os comerciais de shampoo.


Se cada um tem sua vida, porque as pessoas insistem em cuidar da vida dos outros?
Ah, que saco. Eu sei bem o que tô fazendo da minha vida.
A menos que eu te implore uma opinião sobre o assunto, não me diga nada!
Se você acha que eu preciso de uma luz, eu acho que você precisa de um holofote, porque tem que estar
muito no escuro mesmo pra ir cuidar de uma vida que não é sua. Como se você não tivesse problemas
para vir cuidar dos meus!


Me surpreende o nível de pessoas burras no mundo.
E quando digo burrice não é quem acha que "xícara" é com CH.
Quando digo burra quero dizer pessoas que estão cursando o ensino superior e não sabem o que Renato Russo quis dizer com "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã"
Burrice mesmo, é ter oportunidade de aprender e rejeita-la.
Acho muito burro também o fato de vivermos num país onde deputados ganham mais que professores, médicos, bombeiros etc, e as pessoas preocupadas com a legalização da maconha.
Sério, a maconha influencia sim na questão da segurança e na economia. Porém não pode ser priorizada.
Antes de pensar na legalização da maconha temos que analisar que riscos que ela traz ao cérebro humano, (que já é por si, bem deteriorado), temos que pensar que nenhum vício é benigno e que se nossas crianças hoje não tem interesse nos estudos, quem dirá quando todos forem um bando de "brisados".
Não precisamos de salas de aula cheias de alunos "conversando com o Bob", isso já temos, mas não precisamos que isso seja legalizado.
Antes de pensar em legalizar a maconha para não favorecer o tráfico temos que pensar se as pessoas ficaram bem com isso.
Países desenvolvidos legalizaram a droga, mas observe a estrutura do país em si.


Todo mundo tem ídolos em alguma coisa que gosta e que faz bem.
Tenho meus ídolos na música, no teatro, mas principalmente na escrita.
Todo mundo cita Shakespeare, Oscar Wilde, Fernando Pessoa, Camões, Vinicius de Morais, eu também os adoro, muito me inspiraram, são referencias.
Porém, ultimamente, eu tenho lido uma coluna, no final da revista Época, de Ruth Aquino, ela é fantástica.
E entrou na minha lista de referencias na escrita.


Me irrita o fato de as pessoas serem planos B na vida de outras.
A pessoa quer garantir que você não vá embora da vida dela, mas também não quer que você seja titular.
Então pra isso, te escala pra seleção, faz todo seu treino físico, te prepara pro jogo, faz você pegar pesado no treino, te mostra estratégias, planeja tua jogada.
E só te coloca no campo nos 45 do 2° tempo!
E só porque o jogador titular se machucou ou foi expulso. É mole?
O dito cujo, sabe que você é um jogador excelente, um jogador sem igual, um craque no que faz.
Só não assume você como camisa 10 com medo das críticas da imprensa. O técnico tem medo de perder você pra outro time, mas também não valoriza. 
Não quer ver você jogando com outra camisa, mas também não colabora.
CUIDADO, jogador bom, tem convites em todo momento, e por mais que torça pelo time que joga desde pequeno, não treinou pra ficar esquentando lugar!

Um comentário:

  1. Não sabia que você gostava de escrever...


    Beijos,

    Prima!

    ResponderExcluir

Diga você também =D